Segunda Gamer – 56 | Granny

Ainda na onda dos jogos de celular, mas não tão antigo como o Nowhere(veja nossos posts mais antigos) – E pegando a rebarba do Halloween um jogo de celular que me surpreendeu pela simplicidade do tema e mecânica é o jogo Granny.

Você acorda na num quarto da casa de uma vovózinha, demônio/zumbi/psicopata/serial killer/entidade/monstrengo do capiroto e, por algum motivo, ela não quer que você se mexa dentro do quarto, caso ela descubra que você andou explorando – leva uma paulada na cabeça… Você tem cinco dias para descobrir como sair da casa sem que ela perceba ou te pegue – para isso você pode se esconder em armários ou embaixo de camas por exemplo.

Apesar dos gráficos desatualizados com o momento, o jogo consegue te dar aquela ansiedade  de não ser descoberto pela vovó. Desenvolvido pela DVloper e com mais de cem milhões de downloads ainda existe uma continuação onde a vovó agora conta com um nada simpático vovô, que é mais surdinho que a vó, mas mais letal.

Joguinho feito para jogar no quarto  ou na sala, concentrado, numa fila de banco ou do ônibus não terá a atenção e tensão necessária para desfrutar do jogo. Vai enjoar? Sim, ainda mais se você morrer demais, mas o aprendizado e a curva de coragem vai aumentando e fazendo você ir cada vez mais longe na casa. No final, vale a pena conferir essa historinha de terror com a nada pequena vovózinha do bichorôco torto.

Abraços paquidérmicos e até mais.