Editorial

Nas minhas tirinhas, eu evito dizer que os meus personagens vivem no Brasil… Mas os brasileiros estão fazendo tantas babaquices, tanto na política como celebridades, que fica cada  vez mais difícil não dizer que é o Brasil, mas sigo tentando, porque eu não queria regionalizar meus personagens. Se você percebeu, é raro fazer menção a cidades ou países. 

Mas com a vergonha que andamos passando pelo estrangeiro eu tenho vergonha de dizer que o Paquiderme Punk é brasileiro. E se você viu as últimas notícias, mesmo nas redes sociais, se deparou com um músico filmando uma menina e rindo, constrangendo ela,  a família, e todo o Brasil com mais essa demonstração da mentalidade nacional besta e retrógrada, que é dos brasileiros. Eu tinha um certo orgulho quando mais jovem, pois aqui as etnias se misturam de uma maneira linda e harmoniosa (no sentido da beleza do fenótipo brasileiro) e tinha tudo para não ser um país racista , machista, falso moralista e homofóbico…

Ledo engano, cada vez mais demonstrações de intolerância e falta de respeito e empatia fazem parte do cotidiano brasileiro. As máscaras das redes sociais deu coragem a covardia do anonimato e da distância. 

Deste lado vou continuar desenhando nosso querido Paquiderme para descarregar esse descontentamento e fazer os leitores pelo menos refletirem sobre nossa realidade para pelo menos ter mais consciência e não fazer parte desta massa descerebrada que nos debatemos por ai.    

Abraços paquidérmicos e até mais.